terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Não sou...


Cena do filme "Tristão e Isolda"



Não sou “Mariana” da fantasia do poeta,
nem a menininha de olhos azuis de mar
que o inspira nas dolorosas solidões.
Há muito que despi a bata liceal
para envergar as túnicas e vestes
do dissabor e do real.

Não sou a musa dilecta,
nem o poema a navegar
no céu das suas divagações.
Perdi-me no meu próprio sonho
de Romeu e Julieta...
Jovens, belos, Montéquios e Capoletos...
Simplesmente adormecidos
e enterrados vivos.

Dos limites que transponho
morro dos venenos bebidos.
Nos silêncios, nos ciúmes e perdões
enterro tantos dos meus medos passivos.

Fiz, no entanto, especial
um pacto com o imaginário,
(muro e poente das minhas lamentações):
Vivo a vida ao contrário,
contrária que sou nas intenções!

Principio a cada meta
se à mesma me imponho...
Não envelheço de emoções
e renasço virginal
ao passar das estações...

Não sou “Mariana” da fantasia do poeta!...

Mas a Isabel que se assina e o interpreta
e, assim... sem calendário,
se escreve consubstancial
em versos feridos
dum amor imortal!...

25 comentários:

Anónimo disse...

Olá poetisa linda!
É sempre um prazer passar por aqui,o poema é lindo...perfeito...
Bjs

Nônô

Isabel Branco disse...

Nonô

Quanta saudade amiga! Conta-me novidades vossas e manda-me fotos da tua pequerrucha que deve estar linda...

Um beijinho.

O Profeta disse...

Olá amiga, que fantática forma tens de pintar poesia...


Doce beijo

Adão disse...

Estás enganada, Isabelinha. Tu, acima de tudo, és a Mariana, Isolda,Julieta - o arquétipo feminino, sem o qual a serpente não teria levado a cabo o seu intento, a guerra de Tróia não teria sido travada, Homero não escreveria, toda a literatura humana seria um silêncio impotente...A tua poesia é talvez o grito de revolta de todas as mulheres, que também precisam de imaginar um homem maior que o homem, um semi deus - e estão cansadas de serem elas as guardiãs do sentido.

Isabel Branco disse...

Profeta

Pinto a poesia com os olhos do sentir e as tintas da alma.
Obrigada amigo.

Um beijinho.

Isabel Branco disse...

Adão, meu querido amigo,

Desde Eva, a primitiva... a "culpada" que as mulheres "pagam" pelo crime de terem nascido femeas e portadoras do pecado. (E porquê??? Se quem comeu a maçã foi o Adão...)
Feiticeiras, magas, guerreiras, lutadoras, heroínas, protectoras, abnegadas, irreconhecidas...pobres guardiãs do sentido...que à vida dão sentido e calam o seu sentir...
Quanto a mim...ando em busca de mim, do meu eu, enquanto eu...
Corro atrás das nuvens em dias de sol e procuro desvairadamente esse mesmo sol em dias de chuva.

Um beijinho.

Melanie disse...

Ai Isabel, Isabel
Que poema lindo amiga.

Bjo

Carlos Barros disse...

Que forma espontânea que entregas teu momento.
.
Em cada linha, sentimentos nesse belo poema.
.
Isabel,
Beijo na alma!

Isabel Branco disse...

Melanie

Ai amiga...quão profundo me chega teu ai.

"O amor e a arte não abraçam o que é belo mas o que, justamente com esse abraço se torna belo" Karl Kraus

Um beijinho.

Isabel Branco disse...

Carlos

Cada poema é uma entrega
uma renúncia, uma partilha.
Um filho que se gera
que me confunde e me cega
de orgulho e amor.
Cada poema é uma imensidão
um mar de sensos, uma ilha
que me rodeia e regenera
em multiplicidade de cor
que ao meu sentir se apega
e transcrevo com paixão.

Um beijinho.

entremares disse...

É estranho... por vezes queremos dizer algo, e as palavras resultam invertidas, quase que contra vontade...
Não sou...
Uma frase simples, quase banal.
E afinal, um simples "não sou" pode esconder tanta coisa...

Por vezes, ( tantas vezes ) para dizer o que somos... nasta dizer o que não somos.

Obrigado.
Estou gostando de voltar aqui.

Isabel Branco disse...

Entremares

Essa é um pouco a lei dos contrários a que eu tão teimosamente me vinculo.
A coisas mais simples e banais
têm normalmente uma história para contar.

Continua voltando, será um prazer.

Um beijinho.

manzas disse...

Redigi no pulsar
Do meu ser
Uma valiosa
Carta guardada...
O sol não nascerá
Sem que passe por lá
Para a ler,
Ou ela será
Lacrada.

(rss)

Obrigada pela visita
e comentário
Que deixou no meu

Pensamentos

O eterno abraço...

-MANZAS-

Eduardo Marculino disse...

seu blog esta cada vez melhor...estou sempre aqui visitando....um grande abraço e obrigado pelo comentário no HISTORIA VIVA...valeu

Isabel Branco disse...

Manzas

Li a carta antes de fechada
e pensei desvanecida:
quanta emoção acumulada,
quanta lágrima contida.

A carta escrita e não lida
guarda a promessa lacrada
da ímpar paixão duma vida
ao papel e à luz declarada.

Um beijinho.

Isabel Branco disse...

Eduardo Marcolino

Gosto bastante do seu blog, pois gosto muito de História Universal e já fiquei a saber de coisas que desconhecia relativamente ao que nos conta no seu História Viva.
Obrigada pela partilha.

Um beijinho.

OUTONO disse...

Olá Isabel.

Talvez...olá poetisa...

Não. Olá mulher de letras com significado...e sedução.

Melhor!

Gostei, para variar.

Hoje estou bem humorado...Tem dias.
Tal como a poesia.

Beijinho

Isabel Branco disse...

Olá Outono

ou antes, dada a boa disposição:

Olá Primavera, Olá poeta!

Grata pela definições.

São as palavras sedutoras
duma seda que me seduz
quando de poesia portadoras
numa transparência que reluz...

Um beijinho.

Luis F disse...

Excelente poema... num doce licor de palavras, servido em perfumes de sentimento.

Gostei muito de voltar ao teu espaço.

Com amizade
Luis

Isabel Branco disse...

Luis

O licor madura com o tempo
ganha textura e perfume
torna-se espirituoso, apetecível e inebriante.
Gostei da imagem, obrigada
Bom fim de semana.
Um beijinho.

manzas disse...

O sol acende a tímida luz do dia
E embarco na viagem que nunca faço…
Abraço manhãs no ceio da chuva fria
Desbravo os ventos em trilhos do acaso

Grato estou pelo comentário
No meu “pensamentos”…
Que adormecem
Ao relento do alento
E enriquecem
Meus esplêndidos momentos

Um resto de um bom fim-de-semana

O eterno abraço…

-MANZAS-

Isabel Branco disse...

Manzas

Bom fim de semana

Ao primeiro sol da manhã
a cerejeira em flor sorri.
A luz irradia, sua irmã,
madurando as cerejas que colhi.

Um beijinho.

Domenico Condito disse...

Olá Isabel,
muito obrigado pela sua visita no blog.Sinto-me honrado!
Você é uma poetisa fascinante...
Bom fim de semana também para si.

Domenico Condito disse...

Olá Isabel,
publiquei no meu blog o vídeo "Isabel Branco na RTP África".
Espero que aprove.

Um abraço.

Isabel Branco disse...

Domenico

Fico muito sensibilizada e agradecida com a passagem da minha entrevista à RTP Áfica no seu blog. É um privilégio divulgar o meu trabalho entre apreciadores da poesia pelo mundo fora.

Um beijinho.