segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Como?

Como é possível amar o interior
Fechar os olhos à fulgurante aparência,
Como se já desfeitas em fumo, as formas
crepitassem apenas na fogueira da manhã?



3 comentários:

Isabel Branco disse...

Adão

As formas, meu amigo, são instantes... que o tempo injustamente vai levando e engordando em quilos de sabedoria.

bjs

paradoXos disse...

autenticidade ímpar nestas palavras!!

beijos e abraços

Isabel Branco disse...

Heduardo

Bem vindo a este espaço. Visitei o "ParadoXos", gostei e voltarei.

Um abraço.