sábado, 13 de dezembro de 2008

A Prenda




Gente apressada,
prendas,
embrulhos,
papel e laços...
A folia própria
d’outro Natal que se aproxima.
Confusão, vozes, alegria,
risos, gargalhadas,
crianças entusiasmadas...
Assim, chega ao fim
mais um ano,
já velho e cansado
das suas primeiras esperanças
agora transferidas
a outro que brevemente principia.
Trânsito enlouquecido,
transportes apinhados,
multidão desordenada,
compras, luzes, Natal...
E, para tantos, um saco cheio de nada!
Sininhos dourados
num pinheiro pendurados...
Enfeites, cor, festa,
guloseimas...
Um Deus menino em barro,
em presépios figurado,
nuzinho, braços abertos,
coitadinho!...
Pregões de paz,
de fraternidade entre os homens,
sorrisos entre os lábios desapertados
e afinal os sentimentos,
cada vez, mais amarrados,
porque a prenda mais autêntica
apenas se apelida Amor
e a humanidade teme ofertá-la,
desatar o laço,
abri-la, saboreá-la.
Prefere vê-la, assim
na sua caixa guardada,
em belos papéis embrulhada
e com uma grande fita
definitivamente enfeitada!...


4 comentários:

OUTONO disse...

Prenda muito bonita...as tuas palavras..num Natal sempre com a ânsia de poder ser o melhor Natal!

Beijinho

Isabel Branco disse...

O verdadeiro Natal é tão só isto: um afago, um carinho nascido da alma.

Um beijinho

Melanie disse...

É sempre um corre..corre nesta época de Natal. Mas nas tuas palavras toma um gosto bom e bonito que tanto gostei.Prenda bonita nos deixas.

Bj

Isabel Branco disse...

Melanie

Um grande, super, mega, hiper ano para ti e todos os teus.
Bjinhos.