quarta-feira, 22 de abril de 2009

Dia da Terra


Magnólias em Flor - (Imagem da Net)



Saúdo-te ó Terra,
em tua beleza e esplendor.

Teu canto propaga-se
na voz dos pássaros
e na corrente das águas.

Tua grandeza e amor
sabe a fruto e alimento
que nos mitiga a fome e a dor.

Saúdo-te, ó Terra,
paraíso dos mortais.

Tuas lágrimas são chuva
e teu sorriso um sol gigantesco
que nos doura o momento.

Tua promessa é de frio e calor
embora o homem te suje demais
no desperdício e na guerra.

Saúdo-te, ó Terra,
em teu maravilhoso florir e amar!




10 comentários:

Paula Raposo disse...

Lindíssimo poema!! Subscrevo...beijos.

O Profeta disse...

Ó chamateia que fala da saudade
Ó canção que pões um brilho nos olhos
Ó mulher que tens a forma da viola
Ó que espalhas paixões aos molhos

E o cantar da meia-noite
A todos encanta e seduz
Cantar até que morra a voz
Cantar até que haja luz


Vem tocar uma Viola de dois corações

Tétis disse...

Justíssima homenagem à Terra, neste seu dia, cantada através deste poema lindíssimo.

Junto-me a esta saudação à nossa Mãe-Terra que tanto nos dá e que em troca só tem recebido maus tratos e injúrias.

A imagem é linda, adoro magnólias em flor... mais um espectáculo de grande beleza que a nossa Terra nos proporciona.

Beijos

entremares disse...

Tenho pena que um dia, talvez quando for demasiado tarde... alguém possa vir a ler este poema.

Como sempre, pecamos por fazer amanhã o que já deveríamos estar a fazer hoje, não é?

Isabel Branco disse...

Paula

"No mistério do sem-fim
equilibra-se um planeta.

E, no planeta, um jardim,
e, no jardim, um canteiro;
no canteiro uma violeta,
e, sobre ela, o dia inteiro,

entre o planeta e o sem-fim,
a asa de uma borboleta."

Este belo poema de Cecilia Meireles é tão a propósito que não resisti a transcrevê-lo

Bom fim de semana e um beijinho.

Isabel Branco disse...

Profeta

Reparto consigo este sábio provérbio da tradição oral do Kénia:

"Trate bem a terra. Ela não lhe foi doada pelos seus pais. Ela foi-lhe emprestada pelos seus filhos."

Bom fim de semana e um beijinho.

Isabel Branco disse...

Tétis

"Um dia, a Terra vai adoecer. Os pássaros cairão do céu, os mares vão escurecer e os peixes aparecerão mortos na correnteza dos rios. Quando esse dia chegar, os índios perderão o seu espírito. Mas vão recuperá-lo para ensinar ao homem branco a reverência pela sagrada terra. Aí, então, todas as raças vão se unir sob o símbolo do arco-íris para terminar com a destruição. Será o tempo dos Guerreiros do Arco-Íris."

Profecia feita há mais de 200 anos por "Olhos de Fogo", uma velha índia Cree.

O cheiro das magnólias
táo suave e perfumado
deixa no ar uma esperança
e uma renovada mudança.

Bjinhos.

Isabel Branco disse...

Entremares

Como este tantos outros poemas já se escreveram sobre esta preocupação dos destinos da Terra. Apenas, os poetas conseguem ver a beleza do planeta, na sua essência, no privilégio que nos proporciona. Os demais servem-se dela como lucro e usufruto, sem amor, sem preocupação que não seja retirar dela o que mais e melhor conseguirem, esquecendo o futuro e a herança dos próprios filhos.

"Caminhe com leveza na Primavera.
A Mãe Terra está grávida."
Sabedoria Kiowa

Bom fim de semana. Bjs.

NAMIBIANO FERREIRA disse...

"Saúdo-te, ó Terra,
paraíso dos mortais."

Esperamos que possa ser por muitos milénios um paraíso... que ela nos perdoe o mal causado.

"Ensinem às vossas crianças o que
ensinamos às nossas, que a Terra é nossa mãe. Tudo o que acontecer à
Terra, acontecerá aos filhos da Terra. Se os homens cospem no solo estão
cuspindo em si mesmos."

Palavras do Chefe Seatle

Isabel Branco disse...

Namibiano

Esta frase do astronauta americano, Edgar Mitchell, é bem significativa, da grandeza deste planeta azul visto do espaço:

"Minha visão de nosso planeta foi um vislumbre de divindade!"

Oxalá os nossos filhos e netos a saibam proteger melhor, para as gerações vindouras.

Bom Domingo e um beijinho.