segunda-feira, 30 de março de 2009

INÊS NEGA PEDRO


(Imagem da Net)


Este amor
de Pedro por Inês,
ao contrário,
tantas fez
que me desfez.

Encerradas num armário
as cartas a que limpo o pó
uma vez
por mês
e, na laje fria,
exangue,
tombada
a memória.

Das reais montarias e caçadas
relicário
ao abandono
das furtivas investidas,
meu reino
já não pisas.

Extraordinário!...

Assinei em proclame:

Eu, Inês
te nego o coração
ó Pedro,
rei e senhor meu,
deposto,
por ti próprio
assassinado.

Em meu trono
que não amaste
nem depois de morto
jamais te quero!...

Da traição
não me livraste!
De esbirros me cercaste!
Esvai-te!...
Em teu próprio sangue
que a mim não me mataste,
nem me iludes
em tua sedução!

Eu, rainha, Inês,
para meu sossego,
te renego,
ó Pedro,
e mesmo morto
no meu reino
não te quero,
nem te confio reinação!


Isabel Branco
in "40 Anos Depois..."
de Dez Degraus até ao Sol



2 comentários:

pedro leonardo sousa paiva disse...

Inês pode ter negado Pedro, mas Pedro nunca negou Inês. Mas pq Pedro e não Simão? Ao menos seria beirão!!!
Continua menina... força

Isabel Branco disse...

Sousa Paiva

Para Simão (o Botelho)seria mais Teresa (a Albuquerque). Tal como Pedro (o rei) e Inês (a Castro) - Histórias de amores de perdição ou maldição.
Porém, tanto a Inês como o Pedro deste pretenso poema, perdem-se por ódios de estimação.

Um beijinho