quarta-feira, 13 de maio de 2009

UM QUASE NADA E…TANTO!


(Imagem da Net)



Definições???
Porquês???
Um não sei quê de quase louca...
Inconstância...
Um tanto de ninguém,
no entanto, alguém...
Um caso raro,
uma força viva da natureza…
Alguma parecença!
Exclamações!!!
Dirão vocês!!!
Um quase nada de coisa pouca
e tanto de ânsia...
Um corre-corre, um vai e vem,
no entanto, serenidade também...
Ao espelho encaro
um retrato de silenciada beleza
na relação ódio bem querença...
Motivações??!!...
Talvez...
Na voz rude quase rouca,
na teimosia e na elegância...
Uma, entre mil ou entre cem,
mulher, poeta e mãe...
Assim, me declaro
acima de toda e qualquer tristeza,
alheia à indiferença...



10 comentários:

entremares disse...

Não é importante que a indiferença nos rodeie.
Mas não deixe que a indiferença a afogue.
As coisas mais importantes que temos... não precisam de definições, pois não ?

José Jorge Frade disse...

Aqui venho deixar um obrigado pelo carinho!

Gui disse...

A poesia quando é boa, como esta, reconforta e alimenta o nosso espírito. Um beijo amigo

Tétis disse...

Isabel,

Parabéns, por mais este teu maravilhoso poema.

Gosto em particular das "interrogações" que lhe dão movimento, quase gerando um diálogo. É um poema com uma cadência muito própria que nos leva a entrar no seu ritmo.

Como gosto de fazer, destaco uns versos que me chamaram bastante a atenção: "Uma, entre mil ou entre cem,
mulher, poeta e mãe..."
Beijos amigos

Rosangela Neri disse...

Um quase tudo...
Uma poesia excelente!

Me conforta ler suas poesias...
elevam meu pensamento.

bjs

Isabel Branco disse...

Entremares

As definições são sempre subjectivas e dúbias. O que uns definem como limite de chegada outros definem como limite de partida... o que para uns equivale a meio cheio para outros estará meio vazio...assim é! E ainda bem.

Um beijinho.

Isabel Branco disse...

José Frade

Embora ultimamente ande um pouco mais desaparecida, não ando, contudo, esquecida dos bons valores da poesia e dos amigos da minha terra.

Um beijinho.

Isabel Branco disse...

Gui

Elogios assim enchem o ego e fortalecem a alma. Obrigada.

Um beijinho.

Isabel Branco disse...

Tétis

As interrogações e esse diálogo quase inquiridor na minha poesia é uma caracteristica que gosto de praticar e reflectir. Muitas vezes, dias depois de escrever algo assim, encontro respostas precisas. Noutras ainda, surgem outras perguntas mais incisivas e profundas. Isto gera uma espécie de crescimento. A introspecção é amiúde o caminho para a resolução dos nossos próprios problemas.

Um beijinho.

Isabel Branco disse...

Rosangela

Esse sentimento de elevar o pensamento de alguém é muito reconfortante para mim. Escrevo o que sinto e se isso também faz sentir outros, então "tudo vale a pena se a alma não é pequena"...

Um beijinho.