segunda-feira, 27 de abril de 2009

Tenho saudades

Tenho saudades das feiticeiras
dos seus dedos nas minhas narinas
na casa escura dos meus avós;

tenho saudades do sangue dos santos
derramado em crostas de gesso
na igreja escura dos meus avós;

tenho saudades do beco das cruzes
da alma danada do enforcado
na rua escura dos meus avós;

tenho saudades da namorada
por mim inventada como os anjos
no claro jardim dos meus avós.

sexta-feira, 24 de abril de 2009

"Os Parasitas só se Desenvolvem em Ambientes Conformistas"





"Os parasitas só se desenvolvem em ambientes conformistas"


Trago hoje este provérbio popular, tão acertado, para falar dessa praga que se alastra.


Existe, infelizmente uma comunidade de inúteis que, à semelhança do real, prolifera neste mundo virtual da Internet. Aquilo a que chamo de párias, vermes, parasitas, “chulos”, pústulas sociais... Ignóbeis, cuja imaginação é tão pobre que não vai mais além que servir-se do que outros sejam capazes de realizar. Privou-os Deus de ética, senso, educação ou princípios e andam por aí, à solta, num palavreado nojento, plagiando e utilizando nomes, criações e trabalhos de outros blogs ou sites, à laia de chacota, escondidos no anonimato, em avatares hediondos e na falta de carácter.


A todos eles, sejam lá quem forem, o meu vómito. Apenas posso manifestar, publicamente, o meu repúdio e desprezo e desejar que se engasguem do próprio veneno e definhem na sua frustração e inutilidade.


Toda a crítica (ainda que desprezível) é aceitável desde que não interfira com os direitos alienáveis de cada um.


Enterrem as carapuças e aprendam a ser gente.
Afinal, sóis vós que nos tornam melhores!



quarta-feira, 22 de abril de 2009

Dia da Terra


Magnólias em Flor - (Imagem da Net)



Saúdo-te ó Terra,
em tua beleza e esplendor.

Teu canto propaga-se
na voz dos pássaros
e na corrente das águas.

Tua grandeza e amor
sabe a fruto e alimento
que nos mitiga a fome e a dor.

Saúdo-te, ó Terra,
paraíso dos mortais.

Tuas lágrimas são chuva
e teu sorriso um sol gigantesco
que nos doura o momento.

Tua promessa é de frio e calor
embora o homem te suje demais
no desperdício e na guerra.

Saúdo-te, ó Terra,
em teu maravilhoso florir e amar!




segunda-feira, 20 de abril de 2009

Cansa-me


(Imagem da Net)


Cansa-me a hipocrisia,
a falta de escrúpulos,
a idiotice mascarada
na laracha sem piada.
Cansa-me a gente chata,
repetitiva, pedinchona
e desocupada.
Cansa-me o zumbido da multidão,
a surdez da cidade resmungona.
Cansa-me o marasmo
que é este país adormecido.
Cansa-me a mediocridade,
o comodismo,
a demagogia...
Cansa-me, o triste fado,
a irresponsabilidade,
o inevitável fatalismo...
Cansa-me, o dia a dia
sempre igual e sem paixão,
sem objectivo.
Cansa-me o dever, a punição,
o abuso, a injustiça...
Cansa-me a indiferença,
a indulgência,
a hesitação...
Cansa-me a falta do sol
e a neblina tristonha
que me impede de mexer,
agir, barafustar, ser...
Cansa-me esperar...
esperar... esperar,
desesperar
nem sei o quê...



segunda-feira, 13 de abril de 2009

Fotografia


(Foto Google - álbuns Picasaweb)



Orla marítima...
Uma paradisíaca franja...
Um pedaço de mar
solto, encapelado...
Um sol laranja
que o desafia
numa pincelada de azul...
As ondas fustigando
um navio encalhado
na areia movediça...
Uma gaivota grita...
Eleva-se, esvoaça e bica
em graciosa pirueta.
O vento desliza
na macieza das dunas
emprestando às nuvens
graça e silhueta.
E o olhar eterniza
na nitidez da fotografia
a hora mortiça
da beleza íntima
duma praia do sul...



quarta-feira, 8 de abril de 2009

Páscoa Antiga





Doces momentos,
doutros tempos...
Um bando de crianças
e tantas esperanças...
Tapetes de flores
de múltiplas cores
ornando as varandas,
pétalas cirandas,
serpenteando pelas ruas
saudades tuas...
O cortejo, a cruz...
E... lá vai Jesus
que sofreu por nós
a dor mais atroz.
As colchas penduradas
das janelas enfeitadas
saúdam o "compasso"
e o padre no lento passo...
Um sol que reluz
a ressurreição e a luz!
A festa da alegria,
do folar e doçaria,
da Páscoa à moda antiga,
com dor na barriga,
que celebrada na infância
vejo desta distância.



domingo, 5 de abril de 2009

O Pálido Ponto Azul Que Somos

video

Nós estamos aqui:

O Pálido Ponto Azul

tão grandes...


tão soberbos...


tão prepotentes...


e tão minúsculos


perante o Universo!



Para reflexão...




sexta-feira, 3 de abril de 2009

Ah! Leoa...


(Imagem da Net)


Ah! Leoa...quanta garra!
Quanta força, quanto mar...
Quanta ternura que, em reticências,
do sortilégio nos traz a memória
que ainda nos faz sonhar!...

Ah! Leoa...quanto "cazumbi"
ou feitiço como dizem por aqui...
Quanto mato, quanto chão
nesse teu odor de selva
que nos alimenta ainda a ilusão
da felina anhara
pela nossa vida fora...

Isabel Branco

A ti, Aileda,
minha irmã de África...
minha chará das letras...
minha amiga do coração!



quinta-feira, 2 de abril de 2009

Sossega Leoa!

"Espinheira ao Pôr do Sol"


SOSSEGA LEOA!

acampada no DESERTO...
triste, sozinha
crestada do vento
abriGada na Espinheira
sem dar pelo tempo
magoada de rinha
sente-O tão perto...

qual leoa ferida
s'arrima à soliDão
r(o)uge de raiva
activando o IONA
lembuza-se de laiva
saciando a razão
de ser preterida

da alva... a manhã
abre-se amena
entre lençois de linho
longe marulha seu MAR...
acorda no seu ninho
desperta serena
Leoa: sonho tam-tam...



de:aileda/adeliavaz
Para Ti, Minha "Poetisa Azulinha"
meu tempo...
com cheirinho a Namibe.

Makongina


Mulher Mukubal - Adélia Vaz (Aileda)


Teu ser,
teu estar,
lá longe,
aqui perto,
sempre tão mar,
menina de Makonge
em tanto deserto
ainda por acontecer...


À minha amiga Aileda,
autora do quadro acima
com um grande beijinho,

Isabel Branco


quarta-feira, 1 de abril de 2009

Sei, de Abril...


(Imagem da Net)


Sei, de Abril,
um cravo senil...

Sei, de Abril,
um disco de vinil...

Sei, de Abril,
um belo céu anil...

Sei, de Abril,
um sonho infantil...

Sei, de Abril,
um renascer febril...

Sei, de Abril,
uma asa primaveril...

Sei, de Abril,
uma ilha gentil...

Sei, de Abril,
um amante ardil...

Sei, de Abril,
saudades mil ! ...